Publicidade


O biodiesel está morto? Vida longa aos biocombustíveis. Texto, com perguntas

 O biodiesel está morto: vida longa aos biocombustíveis avançados

Muitos países estão imersos em diversas estratégias para reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO 2 ) dos motores de combustão interna. Uma opção é a substituição desses motores por motores elétricos e/ou a hidrogênio. No entanto, além das dificuldades estratégicas e logísticas associadas a essa mudança, a aplicação de motores elétricos ou a hidrogênio no transporte pesado, como caminhões, navios e aeronaves, também apresenta dificuldades tecnológicas no curto-médio prazo. Além disso, a substituição da frota de carros atual levará décadas. 

É por isso que o uso de biocombustíveis se apresenta como a única alternativa viável para diminuir o CO 2emissões num futuro muito próximo. Atualmente, assume-se que os óleos vegetais serão a principal matéria-prima para a substituição dos combustíveis fósseis nos motores diesel. Nesse contexto, assumiu-se também que a redução da viscosidade de óleos vegetais puros (SVO) deve ser realizada por meio de uma reação de transesterificação com metanol para obter a mistura de ésteres metílicos de ácidos graxos (FAMEs) que constituem o biodiesel. No entanto, a complexidade na produção industrial deste biocombustível, principalmente devido aos custos de eliminação do glicerol produzido, tem causado um atraso significativo na transição energética. Por esta razão, vários biocombustíveis avançados que evitam a produção de glicerol e apresentam propriedades semelhantes ao diesel fóssil têm sido desenvolvidos. 

Desta forma, os “dieseis verdes” surgiram como produtos de diferentes processos, como o craqueamento ou pirólise de óleo vegetal, bem como o (hidro)craqueamento catalítico. Além disso, alguns biocombustíveis do tipo biodiesel, como Gliperol (DMC-Biod) ou Ecodiesel, além de óleos vegetais puros, em misturas com fontes vegetais de baixa viscosidade têm sido descritos como biocombustíveis renováveis ​​capazes de atuar em motores de ignição por combustão . Após avaliar as pesquisas realizadas nas últimas décadas, pode-se concluir que o diesel verde e os biocombustíveis semelhantes ao biodiesel podem constituir a principal alternativa para enfrentar a transição energética, embora o diesel verde seja a principal opção em combustível de aviação. em misturas com fontes vegetais de baixa viscosidade têm sido descritos como biocombustíveis renováveis ​​capazes de atuar em motores de ignição por combustão.

 Fonte MDPI e ACS

Estevez, R.; Aguado-Deblas, L.; Lopez-Tenllado, FJ; Lua, C.; Calero, J.; Alecrim, AA; Batista, FM; Luna, D. O Biodiesel Está Morto: Longa Vida aos Biocombustíveis Avançados — Uma Revisão Crítica Abrangente. Energias 2022 , 15 , 3173. https://doi.org/10.3390/en15093173

----------
Publicidade
----------

Perguntas do texto


1) .Segundo o texto quais são as dificuldades estratégicas e logísticas associadas a essa mudança de combustíveis?
2) O que  tem causado um atraso significativo na transição energética?

3) Quais são as principais alternativas para enfrentar a transição energética?
-----
-----
Textos CieBio
para Vestibular, ENEM, Ensino Fundamental, Ensino Médio e Concursos


>> Fazer Cursos Online é uma forma rápida e prática de aprender. Então, confira os cursos de Curso de Psicoterapia e Educação Ambiental sugeridos pelo CieBio.

>> Aproveite! Clique aqui e inscreva-se em nossa newsletter para receber periodicamente novidades do CieBio.


compartilhe compartilhe

Compartilhe nas Redes Sociais!


Ronaldo Silva: Professor e Especialista em Ensino de Ciências, pela UFF/RJ, com mais de 25 anos de magistério.

Recomendados para Você:
Publicidade
 
Sobre | Termos de Uso | Política de Cookies | Política de Privacidade | Meio Ambiente LexiWiki

Material para Ensino Fundamental (6 Ano, 7 Ano, 8 Ano e 9 Ano) e Ensino Médio (1 Ano, 2 Ano e 3 Ano)

João 3 16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.